sábado, 24 de dezembro de 2016

Renascer






Um ano de mistérios!
2016 expôs as fragilidades da estrutura.
E que é preciso sempre renascer,
para se desfazer das certezas.
Todo dia!

Entretantos, um ano de muitos acontecimentos.
e dos mais marcantes.
Chegada aos 30, de uma vida nova, da primeira encenação.
Nada perfeito, como deve ser:
sendo!

A ilha desconhecida vai se fazendo ao mar,
encontrando outras ilhas!
 Aqui eu agradeço a todas elas:

 Alex Brandão / Allison de Sá / Ana Tereza Mendes / Angélica / Anna Oliveira / Elinaldo Nascimento / Giovanna Severo / Ives Padilha / Josevaldo Fortes / Julia Mileo / Marcelo Saback / Marcos Lopes /
Natielly Santos / Rino Carvalho 

Ano que vem mais coisa no Duo!

Forte abraço,
Saulus Castro


  

quinta-feira, 24 de março de 2016

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Diário de um desassossego: escrito I (Junho de 2015)




Sim é isto!
Este ciclo cromático de cores incandescentes,
Essa indecência exposta
Esse exonerar-se seco e vivo
Este lado trêmulo,
Preâmbulo de coisas traseiras, atrasadas, trespassadas.

Sim é isto!
Uma roupagem decomposta
Um livro sob a cama uma água sobre a boca
Gosto de águas quando correm

Sim ainda é isto!
Ser pluvioso e geometricamente curvo
Macio e deleitoso
Um abrir e fechar de bocas de pernas de portos
De beijo suavemente leve, vulcânico.
Como não poderia ser isto?
Como não poderia ser nesta casa?
Com este pé...
Este afago que entranha pele e vara vísceras
O despentear de cabelos dançantes
O encaracolar de linhas nascentes na cabeça
A leveza com que toca lábios.

Sim, quero isto e ainda quero.
Desejo escavar muros e abrir portas,
Massagear pontes que levam a nada
As palavras são assim, um devaneio...
Desejo por morte viva
Ânsia de tempo perdido e de vida afogada em entranhas de pele
Desejo a mão larva e de peso singeloso
A quentura de um corpo plácido, plasma.

Sim, ouço um zumbido!
Mas apenas o ouço, não o sinto.
Rói os tímpanos e afoga no cérebro o zumbir desta cidade
As asas da libélula levemente estragadas
Teu olhar estúpido pela brecha da porta,
E a intimidade de uma roupa intima sobre as cordas intocáveis de um velho instrumento.
Gosto de gente liquida e brevemente pedregosa,
Gosto do verdume das folhas que entram pela janela
E o cheiro desentoxicante de pele suja.
Como a do menino feridento de meus sonhos.

Penso por esse rio sangue que salta veias e ventoinhas
As lamúrias da velha mendiga tecedeira de vazios
Esse vivo sangue que brota entre pernas nos marcados 13 de cada mês
Essa espera atenta e ociosa por um sopro que conduz
Que desvirtua que desassossega.
Não se pode perturbar o que nasce sem senso
Esta mente inquieta e flácida anencefálica
Este desassossego de nascença

Sim, ainda é isto!
Por aqui mesmo em enleio teimo por respirar no meio
E tropeço na ironia de teus olhos levemente estúpidos que
Lançam-se à minha beira
Decido por ir
Por ficar ainda indo
Desejo não desejar nada
Só ter vazio
E esvaziar palavras para nada nem ninguém.

Só ser vazio.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

quarta-feira, 29 de abril de 2015

1º experimento para os mortos



1º experimento para os mortos

Bazar Antuak das 10 às 20hs
3 de Maio de 2015
Casa Antuak
Rua Democrata, nº 21, 2 de Julho
Coletivo Duo
Performer: Saulus Castro



quarta-feira, 18 de março de 2015




Pessoal, terá oficina e demonstração de trabalho do Coletivo duo neste fim de semana

quem estiver interessado (a) em participar, envie uma mensagem para o e-mail do coletivo: coletivoduo@hotmail.com
Grande abraço!!


domingo, 1 de março de 2015


Dia 04 de Março guinamos nossa primeira pesquisa rumo ao FITLÂ 2015
Apareçam!

"deriva"
04.03.15
18hs
R$ 10 / R$ 5
Sala 5 da Escola de Teatro da UFBA


quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Percepções de cena: "memórias"


Nesse espelho que reflete o breu os tempos coadunam-se:
a menina que dança a eminência do vestido de luz;
a velha que canta, come e chora pedras;
as duas figuras que dormem o leito da paz.

Ela vai sonhar,
vai pôr as figuras pra dormir,
ela vai amedrontar os próprios sonhos.

E guardará o sonho de si;
e vai ninar-se.



quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Ao porvir

faceout por Heder Novaes



Pois então, queri@s!

Aqui vamos encerrando as atividades de 2014.
E como o que nos liga de um ano para o outro é um ascender de sol,
que ele venha luminoso e cativante de todas as luas.

Se o ano é novo, que o sejamos também para conosco,
nos propondo a outras percepções do outro e, consequentemente, de nós mesmos.
Que não nos deixemos petrificar pelo espírito do tempo - que cristaliza almas;
que o 'ser' possa dar lugar ao 'sendo';
que cada vez mais nos ponhamos em 'deriva' e celebremos o encontro.
Esvaziemos nossos corações.
Desatemos desafetos!

A todos que contribuíram com os trabalhos do Duo, desejaram bons caminhos;
aos que acreditaram na realização de nossas querenças;
aos grupos, coletivos e artistas que vem desenvolvendo seus trabalhos com vigor e esperança;
a nós, que enfrentamos nossos próprios muros,
que nos empenhamos no acreditar,
estaremos em 2015 com com "deriva" e novas propostas.

Acompanhe-nos: www.facebook.com/festivalfitla/


Encatemo-nos!


Saulus Castro e Uerla Cardoso




quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

1º experimento para os mortos

"Habitamos realmente a terra?
Não é para sempre aqui na terra; apenas um momentinho.
Embora seja jade, ela irá quebrar-se
Embora seja ouro, ela é esmagada,
embora seja quetzal, ela é dilacerada.
Não é para sempre aqui na terra; apenas um momentinho."





segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

O nevoeiro abre a cabeça, aguça os sentidos, o nevoeiro cega as vistas e mostra um vazio... Hoje se parte para o mundo, para a vida em muralhas, ruínas que guardam gentes. Aqui é o pulso, o caminho do rio, margem sem sol. Vi muitos em muitos lugares e uma estrada que leva a nada. É bom ver algo que pulsa e conduz no mesmo tempo, é bom ver esse céu de estrelas nesta noite que demora a vir, é bom sentir o que parece impossível. Silêncio… Estou a caminho do meio tempo da estrada, estou a caminho do que é meio dia…Têm crianças e linguas entre dentes. Estou a caminho dos tantos cabelos brancos nas entranhas desta muralha, estou nos becos, na encrusilhada, o encruzilhar-se… Vazio é o vento deste lado, ainda não consigo sentir, nada surpreende os olhos. Só tua flauta aguda satisfaz os ouvidos...